sexta-feira, 11 de novembro de 2016

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA


A primeira fase do concurso nacional de leitura, a nível de turma decorrerá na última semana de dezembro, para selecionar dois alunos por turma para a segunda fase.

A segunda fase decorrerá na Biblioteca da Escola, na primeira semana de aulas, em Janeiro.

As obras de leitura obrigatória são:

MISSÃO IMPOSSÍVEL                                     A AIA - CONTOS
Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada                 Eça de Queirós


terça-feira, 18 de outubro de 2016

PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA 2016

Bob Dylan é o vencedor do Prémio Nobel da literatura de 2016. O músico folk de 75 anos, norte-americano, é o primeiro cantor a receber a distinção, por "ter criado novas expressões poéticas na grande tradição da canção americana", segundo revelou a secretária-permanente da Academia Sueca Sara Danius. 
DN 13 Out 12.01

Mr Tambourine Man
     Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
     I'm not sleepy and there is no place I'm going to
Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
In the jingle jangle morning I'll come followin' you.
Though I know that evenin's empire has returned into sand
Vanished from my hand
Left me blindly here to stand but still not sleeping
My weariness amazes me, I'm branded on my feet
I have no one to meet
And the ancient empty street's too dead for dreaming.

Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
I'm not sleepy and there is no place I'm going to 
Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
In the jingle jangle morning I'll come followin' you.

Take me on a trip upon your magic swirlin' ship
My senses have been stripped, my hands can't feel to grip
My toes too numb to step, wait only for my boot heels
To be wanderin'
I'm ready to go anywhere, I'm ready for to fade
Into my own parade, cast your dancing spell my way
I promise to go under it.

Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
I'm not sleepy and there is no place I'm going to 
Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
In the jingle jangle morning I'll come followin' you.

Though you might hear laughin', spinnin' swingin' madly across the sun
It's not aimed at anyone, it's just escapin' on the run
And but for the sky there are no fences facin'
And if you hear vague traces of skippin' reels of rhyme
To your tambourine in time, it's just a ragged clown behind
I wouldn't pay it any mind, it's just a shadow you're
Seein' that he's chasing.

Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
I'm not sleepy and there is no place I'm going to 
Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
In the jingle jangle morning I'll come followin' you.

Then take me disappearin' through the smoke rings of my mind
Down the foggy ruins of time, far past the frozen leaves
The haunted, frightened trees, out to the windy beach
Far from the twisted reach of crazy sorrow
Yes, to dance beneath the diamond sky with one hand waving free
Silhouetted by the sea, circled by the circus sands
With all memory and fate driven deep beneath the waves
Let me forget about today until tomorrow.

Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
I'm not sleepy and there is no place I'm going to 
Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
In the jingle jangle morning I'll come followin' you.
Songwriters: BOB DYLAN
 ...................................................//............................................


Blowin in The Wind
How many roads must a man walk down
Before you call him a man ?
How many seas must a white dove sail
Before she sleeps in the sand ?
Yes, how many times must the cannon balls fly
Before they're forever banned ?
The answer my friend is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind.

Yes, how many years can a mountain exist
Before it's washed to the sea ?
Yes, how many years can some people exist
Before they're allowed to be free ?
Yes, how many times can a man turn his head
Pretending he just doesn't see ?
The answer my friend is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind.

Yes, how many times must a man look up
Before he can see the sky ?
Yes, how many ears must one man have
Before he can hear people cry ?
Yes, how many deaths will it take till he knows
That too many people have died ?
The answer my friend is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind.
Songwriters: BOB DYLAN
...................................//.............................

Don't Think Twice It's Alright
It ain't no use to sit and wonder why, babe
It don't matter, anyhow
An' it ain't no use to sit and wonder why, babe
If you don't know by now
When your rooster crows at the break of dawn
Look out your window and I'll be gone
You're the reason I'm trav'lin' on
Don't think twice, it's all right

It ain't no use in turnin' on your light, babe
That light I never knowed
An' it ain't no use in turnin' on your light, babe
I'm on the dark side of the road
Still I wish there was somethin' you would do or say
To try and make me change my mind and stay
We never did too much talkin' anyway
So don't think twice, it's all right

It ain't no use in callin' out my name, gal
Like you never did before
It ain't no use in callin' out my name, gal
I can't hear you any more
I'm a-thinkin' and a-wond'rin' all the way down the road
I once loved a woman, a child I'm told
I give her my heart but she wanted my soul
But don't think twice, it's all right

I'm walkin' down that long, lonesome road, babe
Where I'm bound, I can't tell
But goodbye's too good a word, gal
So I'll just say fare thee well
I ain't sayin' you treated me unkind
You could have done better but I don't mind
You just kinda wasted my precious time
But don't think twice, it's all right
Songwriters: BOB DYLAN

                  ---------------------------------------------------------//---------------------------------------------

It's Alright, Ma
Darkness at the break of noon
Shadows even the silver spoon
The handmade blade, the child's balloon
Eclipses both the sun and moon
To understand you know too soon, there is no sense in trying
Pointed threats, they bluff with scorn
Suicide remarks are torn
From the fool's gold mouthpiece the hollow horn
Plays wasted words proves to warn
That he not busy being born is busy dying
Temptation's page flies out the door
You follow, find yourself at war
Watch waterfalls of pity roar
You feel to moan but unlike before
You discover that you'd just be one more person crying
So don't fear if you hear
A foreign sound to your ear
It's alright, Ma, I'm only sighing
As some warn victory, some downfall
Private reasons great or small
Can be seen in the eyes of those that call
To make all that should be killed to crawl
While others say don't hate nothing at all, except hatred
Disillusioned words like bullets bark
As human gods aim for their mark
Made everything from toy guns that spark
To flesh-colored Christs that glow in the dark
It's easy to see without looking too far that not much is really sacred
Our preachers preach of evil fates
Teachers teach that knowledge waits
Can lead to hundred-dollar plates
Goodness hides behind its gates
But even the President of the United States
Sometimes must have to stand naked
An' all the rules of the road have been lodged
It's only people's games that you got to dodge
And it's alright, Ma, I can make it
Advertising signs that con you
Into thinking you're the one
That can do what's never been done
That can win what's never been won
Meantime life outside goes on all around you
You lose yourself, you reappear
You suddenly find you got nothing to fear
Alone you stand with nobody near
When a trembling distant voice, unclear
Startles your sleeping ears to hear
That somebody thinks they really found you
A question in your nerves is lit
Yet you know there is no answer fit
To satisfy insure you not to quit
To keep it in your mind and not forget
That it is not he or she or them or it that you belong to
Although the masters make the rules
For the wise men and the fools
I got nothing, Ma, to live up to
For them that must obey authority
That they do not respect in any degree
Who despise their jobs, their destinies
Speak jealously of them that are free
Do what they do just to be
Nothing more than something they invest in
While some on principles baptized
To strict party platform ties
Social clubs in drag disguise
Outsiders they can freely criticize
Tell nothing except who to idolize and say, "God bless him"
While one who sings with his tongue on fire
Gargles in the rat race choir
Bent out of shape from society's pliers
Cares not to come up any higher
But rather get you down in the hole that he's in
But I mean no harm nor put fault
On anyone that lives in a vault
But it's alright, Ma, if I can't please him
Old lady judges watch people in pairs
Limited in sex, they dare
To push fake morals, insult and stare
While money doesn't talk, it swears
Obscenity, who really cares propaganda, all is phony
While them that defend what they cannot see
With a killer's pride, security
It blows the minds most bitterly
For them that think death's honesty
Won't fall upon them naturally
Life sometimes must get lonely
My eyes collide head-on with stuffed graveyards
False goals, I scuff at pettiness which plays so rough
Walk upside-down inside handcuffs
Kick my legs to crash it off
Say, "Okay, I have had enough, what else can you show me?"
And if my thought dreams could be seen
They'd probably put my head in a guillotine
But it's alright, Ma, it's life, and life only
Songwriters: BOB DYLAN



quinta-feira, 13 de outubro de 2016

AS FÉRIAS DO MENINO NICOLAU

O livro deste mês, na HORA do CONTO, é o « Menino Nicolau » de Sempé e Goscinny.


Todos os que ouvem e lêem as histórias, se divertem imenso com as peripécias deste pequeno irreverente.
Dá gosto ver professores e alunos a saírem bem dispostos da Biblioteca.
Aqui deixamos  um excerto do livro para aguçar curiosidades e tentar toda a gente a ler o resto.

http://pdf.leya.com/2012/Jul/as_ferias_do_menino_nicolau_voti.pdf

SEMPÉ
Desde cedo foi um aluno mal comportado, expulso por indisciplina do Colégio Moderno de Bordéus, lança-se na vida activa, foi um homem de vários ofícios tais como: empregado de um negociante de vinhos, monitor de colónias de férias (que mais tarde viria a
influenciar nos seus desenhos)e paquete de escritório.
Aos 18 anos alista-se voluntariamente e vai para Paris e passa a pente fino a redacção, e em 1951 (aos 19 anos) vende o seu primeiro desenho ao “Sud-Ouest”. O encontro de Goscinny coincide com o início de uma grande carreira de «ilustrador de imprensa». Com o menino Nicolau cria um imenso leque de ilustrações de miúdos da escola primária com as suas características zaragatas. Paralelamente às aventuras do jovem aluno da escola primária, estreia-se no Paris Match, em 1956, e colabora com numerosas revistas. O seu primeiro álbum de desenho aparece em 1962: “Rien n’est simple” vão seguir-lhe muitos mais álbuns que traduzem a sua visão irónica dos nossos defeitos e dos defeitos do mundo.

GOSCINNY

Goscinny, nasceu em ParisFrança, em 14 de agosto de 1926, filho de pai polaco e de mãe ucraniana. Mudou com os seus país para a Argentina em 1928, com dois anos de idade e passou a sua infância em Buenos Aires. O seu pai era professor de Matemática na escola que Goscinny frequentou, mostrando uma notável aptidão para as artes. Muitos de seus primeiros trabalhos foram publicados nas revistas da escola, como Notre Voix e Quartier Latin. (...)
Em 1955, com a parceria de Morris, foi lançado o extremamente bem sucedido "Lucky Luke". Ainda nesse ano, lancaram a revista Pilote onde começaram a mostrar as obras de vários artistas novos e talentosos. Goscinny também criou o livro para crianças Le Petit Nicolas, com Jean-Jacques Sempé e, em 1956, escreveu editoriais e histórias para a Pilote bem como argumentos para filmes. 
Em 1974, juntamente com Uderzo fundou os Estúdios Idefix para fazer versões animadas de Astérix, sendo a sua primeira produção "Os doze trabalhos de Astérix", tendo obtido um enorme sucesso. Posteriormente, produziram uma versão cinematográfica de "Lucky Luke"
Biografias retiradas de Wikipédia

terça-feira, 27 de setembro de 2016

RECOMEÇO

As aulas recomeçaram e tem sido uma agitação, novos amigos nas turmas, reencontro com os velhos amigos que deixamos de ver nas férias, os professores, os livros , as salas, tudo diferente...


Na nossa biblioteca também é a mesma coisa. Os velhos amigos esperam por ti arrumadinhos nas prateleiras do costume mas há imensos amigos novos que foram chegando e que aguardam impacientes que os venhas conhecer.


Cá te esperamos brevemente...

terça-feira, 7 de junho de 2016

TEXTOS CRUZADOS

Hoje o 8º B da nossa escola, apresentou-se no auditório da Biblioteca Almeida Garrett, com "Textos Cruzados", uma leitura dramatizada e dançada.
Na aula de Português, com a professora Noémia Queijo, e no âmbito do PAC, este ano sobra a autora Luísa Dacosta, surgiu a ideia de cruzar excertos do livro dela « Sonhos na palma da mão», ouvido na Hora do Conto na biblioteca, com outros estudados durante o ano : Farrusco, de Miguel Torga; O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá, de Jorge Amado; O príncipe feliz, de Óscar Wilde e o Principezinho de Saint-Exupéry.
Fica aqui o registo desta atuação e o livreto com os excertos trabalhados e os alunos participantes..







quinta-feira, 5 de maio de 2016

NEWSLETTER Nº 41

Abril passou a correr entre tantas atividades.
O tempo primaveril só se fez sentir no final do mês mas a nossa newsletter já antecipa o calor e exibe a natureza florida em todo o seu esplendor, como pano de fundo para os nossos alunos, eles também flores deste nosso jardim.
Espero que gostem!

Click to play this Smilebox slideshow

quinta-feira, 28 de abril de 2016

ROTA DOS LIVROS

Terminou hoje na nossa escola a Rota dos Livros, promovida pela CMP.
O incentivo à leitura foi a força motora de todas as bibliotecas das Escolas do Porto que aderiram, ao longo de dois anos, a este movimento e o que nos fez também aceitar o desafio.
O Agrupamento de Escolas Pêro Vaz de Caminha terminou a ronda com o seguinte programa:

Pêro Vaz de Caminha
9H10 – Inauguração da exposição dos trabalhos de origami, elaborados pelos alunos do 5º C, 7ºA, 7ºB, 7ºC, no âmbito das oficinas  « A arca de encantar de Luísa Dacosta», realizadas na Biblioteca, orientadas pela Drª. Isabel Palaez .


10h00 – Inauguração do mural da « Little Free Library», na entrada da Escola, pintado pelos alunos do 8ºC, com a orientação da Drª. Judite Rosas.


10h 15 – Apresentação do livro « O diário de uma abelha nada aselha», de Nuno Baptista e Tiago Pimenta. Debate com os autores sobre sermos todos iguais/ todos diferentes. Dirigida aos alunos do 5º B e 6º A


12h-  « Escritores à solta»- Os alunos apresentaram alguns escritores, na Biblioteca, na sala de Professores e na sala de alunos, orientados pelo Grupo de Português do 3º ciclo.






15h15 - Apresentação do livro « O diário de uma abelha nada aselha», de Nuno Baptista e Tiago Pimenta. Debate com os autores sobre sermos todos iguais/ todos diferentes. Dirigida aos alunos do 7ºA e 7º B

Escola EB1 da Agra
9h - Hora do Conto – Estranhões e bizarrocos, de José Eduardo Agualusa - Leitura pela Drª. Maria José Dias

Escola EB1 de S. Tomé

9h 30 - Fábula de Grimm, « A Salamandra de pinta amarela», apresentada pelos alunos do 5º D aos alunos do 3º ano, trabalhada na disciplina de Ciências com o Dr. João Paulo Silva e colaboração das disciplinas de Educação Visual e Português. Distribuição de marcadores.




Escola EB1 dos Miosótis
11h – Teatro de Robertos - « A Carochinha», de Luísa Dacosta, trabalhada pelos alunos do 8ºB, na oficina « A arca de encantar» realizada na Biblioteca, com a Drª. Noémia Queijo, apresentada aos alunos de duas turmas de 1º ano.



Toda a comunidade escolar envolvida está de parabéns pelo excelente trabalho desenvolvido em tão curto espaço de tempo.
Lamentamos apenas que ninguém da CMP  tenha participado no trabalho desenvolvido, uma vez que se dizem promotores do mesmo, e que ninguém tenha vindo assistir a nenhuma das atividades, para que o encerramento deste movimento fosse mais solene.

terça-feira, 26 de abril de 2016

25 de ABRIL

A turma do 9ºA, orientada pela Dr.ª Marta Magalhães, fez uma palestra sobre o 25 de Abril, na nossa Biblioteca, dirigida a todos os 9º anos. Parabéns pelo trabalho desenvolvido.






sexta-feira, 22 de abril de 2016

AJUDARIS

De 18 a 21 deste mês, tivemos na nossa Biblioteca, a exposição de gravuras utilizadas nas ilustrações das histórias escritas pelas muitas escolas do país para a Instituição da Ajudaris.


Todo o Agrupamento passou pela Biblioteca para admirar os quadros e, como em anos anteriores, foi um sucesso.

As histórias escritas pelos nossos alunos, assim como as gravuras que as ilustraram estavam em destaque.


Os mais pequenos, do JI da Escola EB,1 de S. Tomé, dramatizaram uma das histórias, com muito profissionalismo e encantaram a assistência.



quinta-feira, 21 de abril de 2016

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA

No dia 19 de Março, decorreu na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, a 10ª edição do Concurso Nacional de Leitura.
Participaram nestas provas 296 alunos do 3º ciclo e 117 do ensino secundário, de diversas escolas do distrito do Porto.
Assim, os finalistas  selecionados  para prestarem provas orais de tarde, foram os seguintes alunos:

3º Ciclo

Ana Margarida Monteiro da Silva - Escola de Águas Santas - Maia
Ana Leonor Barbosa Santos - Escola Básica e secundária de Baião
Carolina Mendes de Albuquerque - Conservatório de Música do Porto
Emanuel Fernandes Pinheiro - Escola Secundária de Campo Valongo
Sofia Estrela dos Santos - Escola Secundária de Padrão da Légua - Matosinhos


O grande vencedor do 3º ciclo, que vai representar o Distrito do Porto a Lisboa foi o:

Emanuel Fernandes Pinheiro - Escola Secundária de Campo Valongo

Do Ensino Secundário , a grande vencedora, que vai representar o Distrito do Porto a Lisboa foi:

Ana Rita dos Santos Jorge Coelho, da Escola Secundária de Valongo


segunda-feira, 21 de março de 2016

NEWSLETTER Nº 41

Foram várias as atividades desenvolvidas ao longo deste mês de Março, aqui na Biblioteca e, apesar do mês ser mais curto, foi muito animado e concorrido. Aqui fica o resumo:


Click to play this Smilebox slideshow

terça-feira, 1 de março de 2016

Fevereiro passou a correr e nem houve tempo para vir aqui escrever nada.
No entanto as atividades e a azáfama na Biblioteca foram imensas. Deixamos a Newsletter deste mês com o resumo do que aqui se passou.

Click to play this Smilebox slideshow

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA


Os alunos do 3º ciclo, que venceram as provas do Concurso Nacional de Leitura e que irão representar a nossa Escola à Biblioteca Municipal Almeida Garrett, são:

RICARDO LIMA Nº 22  - 7ºA 

INÊS TEIXEIRA Nº 8 -  7º A

ANA TEIXEIRA Nº1 -  7ºC

Parabéns a todos os que participaram e boa sorte para a próxima etapa, aos vencedores.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

LUÍSA DACOSTA

A propósito do nosso trabalho sobre Luísa Dacosta, fica aqui uma entrevista onde ela fala de si e da sua obra.


terça-feira, 12 de janeiro de 2016

LUÍSA DACOSTA

Este ano, a proposta de trabalho conjunto com o SABE da Biblioteca Almeida Garrett, é a autora Luísa Dacosta.
O objetivo é levar os alunos a conhecerem melhor a obra desta autora portuguesa.
A nossa Biblioteca elaborou um projeto a que deu o nome de « A arca de encantar de Luísa Dacosta », com imensas propostas de atividades que se desenrolarão ao longo do ano e finilarizarão em Maio.

Assim, deixamos aqui excertos de alguns livros para que possam deixar-se encantar pelas palavras da autora para quem o sonho é uma fuga à solidão, um caminho para a liberdade e transformação da realidade.

Eis como ela define um livro:

« Abre um livro.
... Um livro permite-te contactar com outras imaginações, outras sensibilidades. E a possibilidade de estares noutros lugares, sem abandonares o teu chão, de ouvires pulsar outros corações, de vestires a pele humana de outro ou outros sem deixares de ser tu. »















O Perfume do Sonho, na Tarde - Luísa Dacosta

O perfume do sonho envolvia-a, debaixo do dossel de folhas da árvore, que emborralhava já a sonolência, ronronante, do bichano – seu companheiro – e que só com ela se aventurava a sair do aconchego da casa.

Que bom! Não havia aulas, nem deveres, naquela tarde de sábado! Podia gastar o tempo à vontade… Boa altura para um pincho no sonho. Como se lhe adivinhasse o desejo, e mais lesto do que parecia natural num ronronar, preguiçoso, já o gato ia a cavalo numa vassoura de bruxa, sem o consentimento dela!
― Sape, daí já!
Bruxas não eram da sua predilecção. Convinha pensar um pouco, antes de se meterem, às cegas, em aventuras… E se tirasse, da arca encantada, os seus vestidos mágicos? Mas qual? O de princesa de diadema, à espera de um noivo, que lhe decifrasse o enigma do amor? O de pastora, adormida, de romeirinha e de coração esperançoso, a sonhar que um príncipe perdido numa caçada a encontraria?
O de menina-malmequer, pronta também a florir e a partilhar o merendeiro com um beijo de boas-tardes? Qual escolher?
E o de Xerazade? Esse, esse. Nada lhe agradava mais do que ser a que, diligentemente, emudecia com o surgir da manhã e, depois de mil e uma noites de encantamento, havia de conseguir conquistar o amor, graças ao feitiço da sua palavra. O de Xerazade servia-lhe, como uma luva. E, então, perante o bichano-companheiro, que assistia atento e segurava as fitas do sonho, envergou as suas calças tufadas, de gomos de seda colorida às pintas, vestiu o seu corpete que encaixava só as laranjinhas, adolescentes, dos seios e lhe deixava a descoberto o pescoço e a ondulação do corpo até à cintura. Com todo o cuidado colocou o seu turbante com pena de pavão e só deixou de fora da sua farta cabeleira dois caracóis, que lhe emolduravam a luz, maliciosa, dos olhos. O que faltava? Ah! as suas pulseiras a serpentear pelo braço, o leque de plumas para esconder o sorriso, trocista, de quem se sabe de antemão vencedora. E ainda o anel que o seu senhor lhe tinha oferecido, para florir o alado dos gestos, enquanto contava as suas histórias. Tudo a postos. Na sua imaginação, a noite, que tão benéfica lhe era como indicava o seu nome, que significava filha da Lua, não tardaria a descer sobre os minaretes do palácio. Do jardim, já subiam os perfumes que o morrer da tarde acentuava e a envolviam. E gozava, de antemão, a surpresa do marido, quando lhe começasse a contar do califa Haroun al-Raschid, que gostava de percorrer Bagdad incógnito e era capaz de aprender a justiça com as crianças, ou as sete viagens de Sindbad, o marinheiro e o muito que a sua imaginação ainda sabia e era capaz de desembaraçar, sem perder o fio à meada. Estava certa não apenas de se fazer amar, mas até de ajudá-lo na governação do reino e mostrar-lhe que uma mulher, mesmo quando escrava como Morgiana, pode ser de grande ajuda e não apenas e só uma flor de prazer. Confiante, sentia-se desejosa de mais uma noite a vir. E assim a deixou a rapariga, desejosa também ela doutras paragens, doutras aventuras e doutros sonhos. Nem precisou de tapete mágico, como Aladino.
― A mim, meus cavalos de vento e pensamento!
Ali estavam, às ordens para partir para os longes – até onde?
Até ao palácio da Rainha das Neves, que tanto a tinha fascinado, quando tinha lido a história. Mas o palácio ficava para lá dos vales brancos de neve da Finlândia, no grande Norte. Tinha de se preparar. Precisava de luvas, cachecol, e também para o pobre bichano. Já estava pronta, ela e o companheiro, quando se achou, mesmo assim, pouco preparada para gelos tão eternos. Podiam constipar-se, não convinha arriscar. Resolveu trocar os sapatos por umas botas, vestir um casacão debruado a pele, aconchegante, providenciar um regalo, um gorro que não lhe deixasse gelar as tranças e um cachecol de lã, mais quente, para o seu companheiro. Agora, sim. Bem preparados, podiam partir e até tinham uma chave-coração para abrir as portas do sonho desejado.
― A caminho!
E à medida que avançava no meio da neve e do gelo, começou a pensar como é que Gerda tinha sido capaz de caminhar com os pés nus sobre aquela frialdade, glaciar, só aquecida pelo desejo de ter de volta o seu companheirinho de brincadeiras, e livrá-lo do esquecimento em que o tinha mergulhado a Rainha das Neves. Ah! a amizade verdadeira era um grande mistério!
Brr… que frio! Tinham, finalmente, chegado. Ali estava o palácio com as paredes feitas de poeiras de neve, de portas e vidros de ventos agrestes, salas vazias e cintilantes, iluminadas por auroras boreais, e no meio de um lago, gelado, o trono da Rainha das Neves, onde ela se sentava, quando não viajava no seu trenó. Sentia as suas trancinhas inteiriçadas, como pingentes de sincelo, debaixo do gorro de pele.
― Vamos regressar! Vamos regressar!
E, em menos de um ai, ela e o bichano, montados num cavalo de pensamento, muito mais rápido do que os cavalos de vento, estavam a salvo, outra vez debaixo da sombra, protectora e quente, da árvore.
Aquilo de ser sempre rapariga também a aborrecia um pouco. Em sonhos, estava ao seu alcance ser rapaz. Porque não? Robin dos bosques, já que gostava tanto de subir às árvores? Gnomo, para poder descer às profundezas da terra e das águas e ajudar princesas, aflitas e desmioladas, que tinham perdido anéis? Não se sentia muito tentada… E pirata? Ah! pirata era melhor forma para o seu pé, aventureiro, e trazia-lhe o bom cheiro da maresia, sempre colado à sua pele, de tal maneira o mar era grato ao seu coração. Estava decidido. Seria pirata, escorreito, sem perna de pau e com uma pala para tapar, a fingir, não o olho cego, mas o olhinho, guincho e esperto, de sondar os longes.
Com um pulo, ágil, logo o bichano se enredou no cordame de mais aquele sonho, para não perder, ele também, mais aquela aventura. E ambos se atracaram ao pirata de “Era uma vez…” Justamente na tarde em que, feliz, ele tinha descoberto que os verdadeiros tesouros, pelos quais tinha espadeirado e combatido, em abordagens perigosas, estavam afinal, ali, sem sangue, nem combates, ao alcance da mão e do olhar. Onde? Onde? Na natureza. Quem podia duvidar? Que ouro mais valioso do que o das estrelas? Ou de mais puro quilate do que o do sol, quando incendiava a manhã, nascente? Que jóias mais lucilantes do que as miríades de brilhos espelhados no mar? Que rubis mais maduros do que os do coração das romãs? Que verdes de esmeralda podiam competir com os das folhinhas, lavadas pela chuva? Que diamantes mais cheios de luz do que os das gotas do orvalho, na renda, preciosa, das teias de aranha? Tudo ali ao alcance da mão e do olhar. Agora que tudo se tinha aclarado no seu espírito, estava disposto a desistir da pirataria. O seu trabalho seria outro. O de procurar alguém que como ele gostasse de nadar e com quem pudesse partilhar aquela verdade: os verdadeiros tesouros estavam ali ao alcance da mão, na água cristalina da nascente, onde matava a sede, nos frutos da terra e na imensidão do mar – que servia de espelho ao sol, à lua e às estrelas. E pôs-se a sonhar com uma nadadora de touca nenúfar-pompom com antenas para repartir com ela o seu coração e aquela verdade.
A história do pirata estava já encaminhada para um final feliz e a rapariga, como quem salta poldras de um regato, estava pronta para outra aventura. Mas o mar ainda a chamava. Ah! o mar, que difícil livrar-se do seu apelo! E decidiu tornar-se sereia. Sim, seria a que se tinha apaixonado pelo príncipe, que salvara da morte, durante a tempestade. Era o que mais lhe agradava. E logo começou a sentir o seu corpo axadrezar-se de escamas, verdes-cinza e azuis, que iam do claro transparente ao quase negro das profundezas dos jardins do mar, onde tinha o seu, ao pé do das suas irmãs. Ai dela! Vinha, agora, cada vez mais, à superfície das águas, com o seu toucado de algas e enfeitada numa das faces, que as raparigas da terra tinham coradas, com uma estrela vermelha. Tentava vê-lo, aproximava-se o mais possível do palácio, mas ele não sabia que fora ela a salvá-lo, nem podia apaixonar-se por uma sereia. Tinha de arranjar duas pernas. Pela história, tão amada, sabia que ela estava disposta a dar à feiticeira do mar o que de mais precioso tinha – a sua voz e o seu canto, que enfeitiçavam, em troca de duas pernas. Queria aproximar-se dele, dançar para ele, mesmo sabendo que seria como caminhar sobre espadas cortantes. Mas o que era uma dor física em relação ao apelo do amor? Um mistério ainda mais exigente do que a amizade, era isso… E foi quando uns miados, rabiosos e insistentes, lhe interromperam o sonho. Claro, era o bichano que não gostava das profundezas do mar.
― Bichaninho! Bichaninho! — e passava-lhe a mão pelo pêlo a sossegá-lo. ― Nada de aflições!
Estava disposta a providenciar um escafandro, se necessário, para que ele pudesse passear com ela pelos jardins submersos. Mas ele, pelos vistos, não se deixava convencer pelas suas festas, miava desesperadamente. O que teria?! Só então reparou que o sol ia morrendo e a sombra arrefecia. Tinha-se esquecido do seu lanche e do leitinho dele. Era isso. O bichano reclamava, com fome, o seu pratinho de leite. Pronto, pronto. Teria de fechar, à pressa, o seu baú de sonhos e de lá meter, rápido, rápido, os fatos que não tinha chegado a usar. Que pena! Tão apropriados para um baile de máscaras!
O de menina-alforreca,
o de menina-balão,
o de arlequim,
o de toucado-coração-de-lira, para arpoar um coração gémeo,
e o dos anos-vinte com bolsinha e todo franjado, como os antigos candeeiros de vidrilhos. Tão próprio para dançar o charlston! Para outra vez seria…
O bichano já ia longe, numa corrida de afoiteza, acelerada, que a fome é negra. Teve de se resignar. E também ela correu para casa.

Os magos que não chegaram a Belém